Pequim cria sistema de pagamento internacional em rublo e yuan, que dispensa uso do dólar

Excelente notícia ! Muito importante para o sistema financeiro internacional.

O Sistema de Comércio Cambial da China (CFETS, na sigla em inglês), gerenciado pelo Banco Popular da China, anunciou ter criado um sistema de pagamento que permite realizar transações tanto em yuan, como em rublo.

Trata-se do sistema “payment versus payment” ou PVP (pagamento versus pagamento), lançado em 9 de outubro depois da autorização do Banco Popular da China. Com o sistema é possível realizar transações em moedas nacionais da Rússia e da China.

Esta plataforma permitirá aos dois países evitar pagamentos recíprocos em dólar. Segundo o comunicado do CFETS, o novo sistema reduzirá os riscou relacionados ao câmbio de moeda e melhorará a eficiência do mercado de divisas… (OPERA MUNDI)

Banco do Brics financiará até US$ 2,5 bi em projetos em 2017

Muitos projetos a caminho !!!

O conselho de diretores do Novo Banco de Desenvolvimento criado pelos países do Brics pretende alocar US$ 2,5 bilhões em projetos em 2017.

“Estamos trabalhando para aumentar o financiamento de projetos nos países-membros do Novo Banco de Desenvolvimento”, declarou o presidente da isntituição, Kundapur Vaman Kamath.

Em 2016, o Novo Banco aprovou o financiamento de US$ 1,5 bilhão  em projetos de investimento nos países do Brics.

Já na última terça-feira (22), o banco aprovou uma injeção de US$ 350 milhões em um projeto para a construção de 1,5 mil quilômetros de estradas na Índia e de US$ 291 milhões para a construção de uma usina eólica na China… (GAZETA RUSSA)

Brics lança incubadora para empregadores internacionais

Brics launches incubator for international employers

Publicado em 7 de novembro de 2016

O seminário “Brics, cooperação para o desenvolvimento”, ocorrido no final de outubro na Universidade Russa da Amizade dos Povos, em Moscou, reuniu 150 participantes de mais de 20 países e resultou em novos projetos para incrementar a interação entre universidades e empregadores internacionais na seleção e treinamento de estudantes internacionais, assim como no desenvolvimento de programas educacionais.

O primeiro programa da Universidade em Rede do Brics começará a funcionar em 2017. Por meio da rede, os estudantes das universidades afiliadas poderão transitar entre as instituições participantes até a graduação, recebendo ao final do curso dois diplomas… (GAZETA RUSSA)

Marcos Pereira endossa na Índia documentos para integração entre os Brics

O Brasil precisa de uma grande reforma que garanta a desburocratização, como por exemplo, da importação, exportação, criação e extinção de empresas, registro de marcas e patentes (internacionalização), pagamento de tributos, etc

Nova Déli (13 de outubro) – Ao participar do 6° Encontro de Ministros de Comércio dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), em Nova Déli, na Índia, o ministro Marcos Pereira endossou um conjunto de documentos que busca integrar o comércio e o desenvolvimento dos países do grupo. O ministro participará amanhã, em Goa, da reunião de cúpula ao lado do presidente Michel Temer.

Os textos assinados pelos ministros trazem temas como desburocratização e facilitação de comércio, fomento do comércio de serviços, cooperação entre micro e pequenas empresas, promoção das exportações e maior coordenação das políticas comerciais dos cinco países. Juntos, os Brics representam um PIB de mais de US$ 16 trilhões.

“Apesar do tamanho das nossas economias, ainda temos desafios típicos de países em desenvolvimento, tais como a busca pelo crescimento continuado e sustentável, o combate ao desemprego, a erradicação da pobreza e da fome, a superação da burocracia, o fomento da educação de qualidade e da inovação e o estímulo ao comércio”, discursou Marcos Pereira… (MDIC)

 

China quer área de livre-comércio entre os Brics

Seria um desastre para o Brasil. Sobraria para nós indústria do que?

Genebra – A China defende a criação de uma área de livre-comércio entre os países dos Brics, bloco formado por Brasil, Rússia, Índia e África do Sul, além dos próprios chineses.

O anúncio foi feito pelo Ministério do Comércio em Pequim, às vésperas da cúpula do grupo, em Goa. Consultados pelo jornal O Estado de S. Paulo, diplomatas em Brasília deixaram claro que a proposta não conta com o apoio imediato do governo brasileiro.

Na avaliação dos chineses, uma área de livre-comércio entre esses países seria “uma forma significativa de cooperação”. Em uma coletiva de imprensa para apresentar os objetivos de Pequim na reunião, o porta-voz do ministério, Shen Danyang, indicou que um acordo iria remover tarifas e barreiras não tarifárias, daria espaço para as vantagens competitivas de cada país a aprofundaria investimentos mútuos… (EXAME)

Banco dos Brics financia mini-hidrelétricas na Carélia

São projetos como esse que o Banco dos Brics irão financiar nos próximos anos. Essas usinas irão fornecer energia a regiões remotas na Rússia sem prejudicar o meio ambiente.

Olha o exemplo a ser seguido Brasil !

Por causa disso acabo de criar uma nova categoria no blog: BRICS ! Serão muitos projetos a serem colocados em prática nos países.

No final de julho, o conselho de diretores do Novo Banco de Desenvolvimento, criado pelos países do Brics, aprovou a transferência de US$ 100 milhões à Rússia para diversos projetos de construção de miniusinas hidrelétricas.

O dinheiro será destinado à construção de duas pequenas usinas na Carélia, região russa que faz fronteira com a Finlândia.

As hidrelétricas devem resolver o problema de fornecimento de energia a regiões remotas… (GAZETA RUSSA)