Balança comercial da quarta semana de junho de 2017

Precisamos muito investir na indústria brasileira para voltarmos a exportar manufaturados em números consideráveis na nossa balança comercial. É ter uma política séria de governo para fazer nascer novas indústrias no Brasil. É um trabalho sério e comprometido com nosso povo. Precisa ser feito !

Brasília (26 de junho) – Na quarta semana de junho, a balança comercial registrou superávit de US$ 1,753 bilhão, resultado de exportações no valor de US$ 4,880 bilhões e importações de US$ 3,126 bilhões.

No mês, as exportações somam US$ 15,154 bilhões e as importações, US$ 9,820 bilhões, com saldo positivo de US$ 5,334 bilhões. No ano, as exportações totalizam US$ 103,081 bilhões e as importações, US$ 68,722 bilhões, com saldo positivo de US$ 34,359 bilhões.

A média das exportações da quarta semana chegou a US$ 975,9 milhões, 4,5% acima da média de US$ 934,1 milhões até a terceira semana, em razão do aumento nas exportações de produtos básicos (18,8%), por conta de petróleo em bruto, carnes de frango e suína, minério de cobre, minério de ferro e soja em grão; e semimanufaturados (1,1%), em razão de semimanufaturados de ferro e aço, alumínio em bruto, açúcar em bruto, catodos de cobre e celulose.

Por outro lado, caíram as vendas de produtos manufaturados (-10,7%), em razão de tubos flexíveis de ferro e aço, veículos de carga, automóveis de passageiros, açúcar refinado, polímeros plásticos e óxidos e hidróxidos de alumínio.

Do lado das importações, houve crescimento de 2,8%, sobre igual período comparativo (média da quarta semana) explicado, principalmente, pelo aumento nos gastos com bebidas e álcool, veículos automóveis e partes, cereais e produtos da indústria da moagem, adubos e fertilizantes e equipamentos mecânicos…. (MDIC)

Marcos Pereira lidera primeira missão do MDIC a Israel em 12 anos

Incrível ! Primeira missão empresarial na terra que reúne alta tecnologia. Não cabe comentar o conflito Palestina-Israel.

Tel Aviv (25 de junho) – Com o objetivo de ampliar parcerias com o país que tem a segunda maior densidade de startups do mundo e um dos maiores índices de exportação de alta tecnologia, teve início neste domingo, em Tel Aviv, capital de Israel, a primeira missão do MDIC ao país em 12 anos. O primeiro compromisso da missão, liderada pelo ministro Marcos Pereira, foi um encontro na Embaixada do Brasil em Israel. Ele foi recebido pelo embaixador Paulo Cesar de Vasconcellos e falou da expectativa da agenda de quatro dias que inclui visitas a duas universidades, empresas de tecnologia, ao parlamento (Knesset) e uma reunião com o ministro de Economia e Indústria, Eli Cohen.

Ainda na embaixada, Marcos Pereira recebeu a CEO da Israeli Advanced Technology Industries (IATI), Karin Rubinstein. A IATI congrega indústrias de alta tecnologia e biociências de Israel com a missão de conectar o ecossistema israelense de alta tecnologia em todos os seus níveis. Possui mais de 700 membros entre empreendedores, startups, incubadoras, centros de P&D, investidores privados, entre outros. .. (MDIC)

Governo americano suspende todas as importações de carne fresca do Brasil

Quando se perde a Confiança fica complicado.

O secretário de Agricultura dos Estados Unidos, Sonny Perdue, anunciou hoje (22) a suspensão de todas as importações de carne fresca do Brasil devido a preocupações recorrentes sobre a segurança dos produtos destinados ao mercado americano. Em comunicado, Perdue informou que a suspensão dos embarques permanecerá em vigor até que o Ministério da Agricultura brasileiro tome medidas corretivas que o Departamento de Agricultura americano considere satisfatórias.

Desde o aumento da inspeção, foi recusada a entrada de 106 lotes de produtos bovinos brasileiros, devido a problemas de saúde pública, condições sanitárias e problemas de saúde animal. A nota dos Estados Unidos diz que o governo brasileiro se comprometeu a resolver essas preocupações.

Ontem (21) o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) do Brasil suspendeu as exportações de cinco frigoríficos para os EUA, depois de autoridades sanitárias americanas identificarem irregularidades provocadas pela reação à vacina contra a febre aftosa. Segundo nota do Mapa, a proibição continuará em vigor até que sejam adotadas “medidas corretivas”… (EBC)

Ministro quer medidas práticas para aproximar os países do BRICS

Nós precisamos no Brasil de ações concretas, colocar em prática atividades mil.

Em Nanjing, na China, ao participar do 7º Encontro de Ministro da Agricultura do grupo dos BRICS, Blairo Maggi (Agricultura, Pecuária e Abastecimento), propôs nesta sexta-feira (16) que o Plano de Ação 2017-2020 do bloco estabeleça um grupo de trabalho para o monitorar e apresentar propostas que ampliem o fluxo de comércio e de investimento agropecuário e agroindustrial. “Precisamos nos esforçar para sairmos deste encontro com diretrizes para atingir resultados que beneficiem as populações que representamos. É fundamental contarmos com mecanismo para superar barreiras ao comércio”, afirmou.

“Nesse grupo de trabalho, espero discutir temas, como questões sanitárias e fitossanitárias, regras mais flexíveis e oportunidades de negócio entre as empresas do setor”, disse o ministro Maggi. Para fortalecer o BRICS (formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), na área agrícola, é necessário, além de intensificar a cooperação, promover a inovação, acrescentou.

“Quero destacar a importância de colaborarmos mais intensamente na promoção da pesquisa, pois isso é fundamental para o sucesso de nossos produtores”, destacou Maggi, lembrando que, nos anos 1970, o governo brasileiro criou a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), para responder demandas da agropecuária e enfrentar desafios do futuro. O que permitiu, observou, aumentar a produção de grãos em 386%, nos últimos 40 anos, enquanto a área utilizada na agropecuária cresceu 33%, 11 vezes menos… (Agricultura)

Queijos de Minas Gerais levam 11 medalhas em evento internacional na França

Gostaria de parabenizar todos os participantes desse evento, especialmente a turma de Minas Gerais !

Parabéns também ao SEBRAE por todo trabalho efetuado com o pessoal do leite nos últimos anos no Brasil.

É uma vitória também do Governo Brasileiro e do povo !

Um dos principais produtos de Minas Gerais acaba de fazer bonito num evento internacional realizado na França, no início de junho deste ano. No concurso Mondial du Fromage, no Salão do Queijo de Tours, cidade francesa às margens dos rios Loire e Cher, os queijos mineiros levaram um super ouro, sete medalhas de prata e três de bronze. Nossos quitutes regionais concorreram contra 700 produtos de 20 países.

Roberto Simões, presidente da Federação da Agricultura do Estado de Minas Gerais (Faemg), destaca a importância da premiação, já que Minas concorreu no país que é famoso por seus queijos tradicionais. “Nossos produtores estão de parabéns por terem colocado o queijo de Minas entre os melhores do mundo. Estas conquistas confirmam a qualidade dos queijos mineiros e são um estímulo para quem apoia a produção e para os próprios produtores, pois demonstram que o queijo minas artesanal tem futuro próspero”, comenta Simões… (Conheça Minas)

Balança comercial das primeiras duas semanas de julho de 2017

Os números estão subindo !

Brasília (12 de junho) – Nas duas primeiras semanas de junho de 2017, que tiveram sete dias úteis, a balança comercial registrou superávit de US$ 2,224 bilhões, resultado de exportações no valor de US$ 6,411 bilhões e importações de US$ 4,187 bilhões. No ano, as exportações somam US$ 94,337 bilhões e as importações, US$ 63,089 bilhões, com saldo positivo de US$ 31,248 bilhões.

Acesse os dados completos da balança comercial

Nas exportações – comparadas as médias até a segunda semana de junho deste ano (US$ 915,9 milhões) com a média de junho do ano passado (US$ 760,8 milhões)- , houve crescimento de 20,4%, em razão do aumento nas vendas das três categorias de produtos: semimanufaturados (+37,7%, por conta, principalmente, de açúcar em bruto, celulose, semimanufaturados de ferro e aço, ouro em forma semimanufaturada e óleo de soja em bruto), básicos (+17,3%, petróleo em bruto, soja em grão, minério de ferro, minério de cobre e carne bovina) e manufaturados (+16,8%, tubos flexíveis de ferro e aço, automóveis de passageiros, veículos de carga, açúcar refinado e polímeros plásticos). Em relação a maio deste ano, houve crescimento de 1,8%, em virtude do aumento nas vendas de produtos semimanufaturados (+21,2%) e manufaturados (+3,5%), enquanto que as vendas de produtos básicos tiveram queda (-5,5%).

Nas importações, a média diária até a segunda semana (US$ 598,2 milhões) ficou 3,1% acima da média de junho de 2016 (US$ 580,4 milhões). Nesse comparativo, aumentaram os gastos, principalmente, com bebidas e álcool (+178,1%), combustíveis e lubrificantes (+66,9%), adubos e fertilizantes (+50,1%), siderúrgicos (+45,9%) e equipamentos eletroeletrônicos (+9,7%). Na comparação com maio de 2017, registrou-se crescimento de 8,5%, pelo aumento nas compras de adubos e fertilizantes (+81,5%), combustíveis e lubrificantes (+36,3%), instrumentos de ótica e precisão (+14,7%), equipamentos mecânicos (+11,3%) e plásticos e obras (+5,9%).

MDIC

Feiras Internacionais de Junho de 2017 no Brasil

Excelentes oportunidades de negócios e para aumentar o networking

1- REATECH 

2- FEIRA BEM CASADOS 

3- BEEFEXPO 

4- EXPOVINIS

4- FISPAL CAFÉ 

5- FISPAL SORVETES 

6- FEIMAFE 

7- EBS 

8- BIO BRAZIL FAIR – BIOFACH AMÉRICA LATINA

9- NATURALTECH 

10- RIO SPORTS SHOW 

11- EXPOCATÓLICO 

12- INDUMÓVEIS INTERNACIONAL 

13- FEIARTE 

14- ENCONTRO INTERNACIONAL COM MERCADO- AMÉRICA DO SUL 

15- HORTITEC 

16- ABF FRANCHISING EXPO 

17- TRANSPOSUL 

18- FISPAL TECNOLOGIA 

19- FESTIVAL DE TURISMO DAS CATARATAS 

20- CRAFT BEER 

 

 

OIE declara Brasil como livre da pleuropneumonia contagiosa bovina

Excelente !

O Brasil foi reconhecido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), por unanimidade, como país livre da pleuropneumonia contagiosa bovina (CBPP em inglês). A certificação foi entregue na quarta-feira (24) durante a reunião anual da OIE, em Paris. De acordo com a OIE, “a concessão reflete a transparência e a qualidade do serviço veterinário do país”.

“A declaração da OIE agiliza a negociação de acordos sanitários com outros países, e, consequentemente, a abertura de mercados, porque o Brasil não precisará mais declarar que o rebanho não tem esta doença”, diz o secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Luis Rangel. Ele participou encontro junto com o representante do Brasil na OIE, o diretor do Departamento de Saúde Animal, Guilherme Marques.

A pleuropneumonia contagiosa bovina é uma doença de bovinos e búfalos causada por bactéria. Ataca os pulmões e a membrana (pleura) que reveste o tórax. Por ser altamente contagiosa, com taxa de mortalidade de até 50%, causa altas perdas econômicas. Para reduzir a infecção, existe vacinação com um tipo atenuado da bactéria. Não há casos de contágio em seres humanos nem risco à saúde pública…. (AGRICULTURA)

Balança comercial da terceira semana de maio de 2017

O Brasil precisa investir muito na indústria brasileira para que a mesma possa produzir e exportar. Muitas reformas são necessárias !

 

Brasília (22 de maio) – Na terceira semana de maio, a balança comercial registrou superávit de US$ 1,824 bilhão, resultado de exportações no valor de US$ 4,758 bilhões e importações de US$ 2,933 bilhões. No mês, as exportações somam US$ 13,049 bilhões e as importações, US$ 8,195 bilhões, com saldo positivo de US$ 4,854 bilhões. No ano, as exportações totalizam US$ 81,189 bilhões e as importações, US$ 54,964 bilhões, com saldo positivo de US$ 26,225 bilhões.

A média das exportações da terceira semana chegou a US$ 951,5 milhões, 3,3% acima da média de US$ 921,3 milhões até a segunda semana, em razão do crescimento nas exportações de produtos: básicos (+11,7%, por conta de petróleo em bruto, café em grão, minério de cobre, fumo em folhas, cinzas e resíduos de metais preciosos). Caíram as vendas de produtos semimanufaturados (-6%, em razão de celulose, semimanufaturados de ferro e aço, couros e peles, ferro-ligas, madeira em estilhas) e manufaturados (-4,2%, em razão, principalmente, de óleos combustíveis, automóveis de passageiros, aviões, laminados planos de ferro e aço, polímeros plásticos).

Do lado das importações, houve crescimento de 0,4%, sobre igual período comparativo (média da terceira semana, de US$ 586,7 milhões, sobre média até a segunda semana, de US$ 584,6 milhões), explicada, principalmente, pelo aumento nos gastos com combustíveis e lubrificantes, cereais e produtos da indústria da moagem, veículos automóveis e partes, bebidas e álcool, filamentos e fibras sintéticas.

Nas exportações, comparadas as médias até a terceira semana de maio de 2017 (US$ 932,1 milhões) com a de maio de 2016 (US$ 836,6 milhões), houve crescimento de 11,4%, em razão do aumento nas vendas das três categorias de produtos: básicos (+18,1%, por conta, principalmente, de petróleo em bruto, minério de ferro, soja em grão, minério de cobre, milho em grão), semimanufaturados (+15,6%, por conta de celulose, semimanufaturados de ferro e aço, açúcar em bruto, couros e peles, zinco em bruto) e manufaturados (+1,2%, por conta de automóveis de passageiros, açúcar refinado, suco de laranja congelado, aviões, óxidos e hidróxidos de alumínio).

Continuar lendo

Marcos Pereira lança programa para incentivar exportações da região amazônica

Que as empresas respeitem o meio ambiente, com produção sustentável.

Macapá (11 de maio) – O Amapá passa a integrar, a partir desta quinta-feira, o Plano Nacional da Cultura Exportadora. O evento de lançamento aconteceu no Palácio Setentrião, sede do governo local, e contou com a participação do ministro Marcos Pereira, do governador do estado, Waldez Góes, e de empresários e autoridades locais.

“As empresas do Amapá vão receber consultoria e treinamento para ingressar no comércio exterior”, disse o ministro no lançamento do PNCE. No primeiro semestre deste ano, o MDIC realizará o treinamento para empresas de pequeno porte no Amapá. O objetivo do curso é proporcionar aos empresários e seus funcionários os conhecimentos necessários para exportar seus produtos. No segundo semestre, haverá um Curso Básico de Comércio Exterior.

Em 2016, o PNCE foi lançado em 20 unidades da federação, com o apoio de 144 instituições parceiras nacionais e estaduais, atendendo dez mil empresas. As ações desenvolvidas no âmbito do PNCE contribuíram para que 4.735 empresas exportassem pela primeira vez no ano passado… (MDIC)