Brasil quer se integrar a ações de cooperação da Unido para o desenvolvimento da indústria nacional

Seria muito interessante se o Brasil participasse da Unido

Brasília (31 de julho) – Durante a segunda Reunião de Ministros de Indústrias dos BRICs, realizada na cidade de Hangzhou, na China, na última sexta-feira (28), o Brasil reafirmou o interesse em se integrar às ações lideradas pela Unido (que em português é: Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial) – braço da ONU voltado para o desenvolvimento industrial, focado na redução da pobreza, na globalização inclusiva, e na sustentabilidade ambiental.

No evento, o secretário de Desenvolvimento e Competitividade Industrial, Igor Calvet, representou o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), e reafirmou ao diretor-geral da Unido, Li Yong, que o Brasil tem interesse em  iniciar tratativas para fazer parte do “Programme for Country Partnership”, iniciativa da Agência, ainda sem tradução para o português, que tem sido desenvolvida no Peru.

Desde 2015, a Unido e o governo peruano vêm trabalhando, por meio de cooperação técnica, para incentivar o desenvolvimento de uma indústria mais moderna, competitiva e inclusiva. O PCP, como é chamado o programa, busca gerar investimentos, promover suporte técnico e mobilizar fundos de investimento para o desenvolvimento industrial dos países parceiros. No Peru, a iniciativa é focada em quatro áreas: qualidade e inovação; cadeias de valor e desenvolvimento empreendedor; áreas industriais sustentáveis; e energia renovável e eficiência energética… (MDIC)

ONU abre inscrições para selecionar jovens profissionais

Excelente oportunidade de trabalho para quem deseja ter experiência profissional na ONU

O Programa Jovens Profissionais (YPP, na sigla em inglês) da Organização das Nações Unidas está com as inscrições abertas para a temporada 2017. Os selecionados receberão um convite para trabalhar na ONU nas áreas contempladas pelo YPP.  A informação é da ONU News.

O projeto tem dois objetivos: 1) trazer para as Nações Unidas novos talentos que tenham nascido em países com pouca representação profissional dentro da organização; e 2) reconhecer o talento de funcionários da ONU que buscam promoção de categoria.

Este ano, o concurso envolve três setores de trabalho: 1) Política, Paz e Setor Humanitário, para as áreas de direitos humanos, assuntos civis, políticos e humanitários, direito e segurança; 2) Administração e Gerência, para quem tem experiência em administração, auditoria, finanças, recursos humanos e ética; e 3) Informação Pública e Conferências, para quem é das áreas de conferências, documentação, informação, línguas e protocolo.

São vários os critérios para a candidatura. Entre eles,  ser cidadão de um dos países-membros da ONU que participam do Programa Jovens Profissionais 2017. Angola, Brasil, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Moçambique e Timor-Leste são nações incluídas na lista. É preciso também ter 32 anos ou menos, diploma de bacharel na área escolhida, e ser fluente em inglês ou francês. .. (EBC)

Reino Unido deixará mercado único da UE e vai controlar entrada de imigrantes

Muitas mudanças a caminho ! Mas só a título de curiosidade para nós brasileiros, segundo os parceiros ingleses, porque o Brasil não tem um único acordo comercial ativo com o Reino Unido e muito menos com a União Europeia.

A primeira-ministra britânica Theresa May fez um discurso na manhã de hoje (17), em Londres, para anunciar como deverá ser a saída do Reino Unido da União Europeia. No discurso, May confirmou que o Reino Unido deixará o mercado único, mas afirmou que está confiante em um possível acordo de comércio com a Europa.

Imigrantes

Em relação ao livre trânsito de pessoas dentro do bloco, May foi clara ao dizer que o Reino Unido passará a controlar o número de migrantes provenientes da União Europeia, mas afirmou que reconhece a importância dos imigrantes e que “os melhores [serão bem-vindos] para estudar e trabalhar no Reino Unido”. Ela afirmou ainda que a imigração terá de servir aos interesses britânicos… (AGÊNCIA BRASIL)

El agronegocio generó casi el 70% de la deforestación en América Latina, según la FAO

O Agronegócio gerou quase 70% da desflorestação na América Latina, segundo a FAO (Fundo das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação).

Os países precisam unir forças para preservar o meio ambiente, precisam investir na agricultura familiar, alimentação orgânica.

Aunque la tasa de deforestación en 2015 se ha reducido en casi 50% comparada con la registrada en 1990, los niveles de deforestación siguen siendo altos en América Latina, particularmente en la región amazónica, debido al crecimiento de la producción de agronegocios para los mercados internacionales. La información se desprende del reciente informe sobre el estado de los bosques del mundo 2016, elaborado por el Fondo de las Naciones Unidad para la Agricultura y la Alimentación, FAO.

Según el informe, la agricultura comercial generó casi el 70 por ciento de la deforestación en América Latina entre el periodo 2000-2010, pero solo un tercio en África, donde la agricultura a pequeña escala constituye un factor más significativo de la deforestación.

En la Amazonia en particular, la producción de agronegocios para los mercados internacionales fue el principal factor de deforestación posterior a 1990, producto de prácticas como el pastoreo extensivo, el cultivo de soja y las plantaciones de palma aceitera… (NODAL)

ONU denunciou o grupo terrorista Estado Islâmico por genocídio

Ontem, dia 16 de junho de 2016, a Organização das Nações Unidas denunciou o Estado Islâmico por genocídio, crimes de guerra e contra a humanidade, pela primeira vez.

Em seu relatório, Pinheiro pediu que os delitos do Estado Islâmico sejam levados para cortes internacionais e que o Conselho de Segurança faça uma intervenção para salvar a minoria religiosa yazidi, uma das mais afetadas pelas ações do grupo armado. O informe de Pinheiro está sendo disponibilizado para procuradores da Síria e do Iraque, as zonas onde o Estado Islâmico controla mais territórios, caso queiram abrir processos em tribunais locais contra o grupo.

Com tradição milenar, os yazidis são considerados “infiéis” pelo Estado Islâmico, que adota táticas de perseguição e assassinato contra as minorias religiosas e étnicas que não sigam a vertente sunita do Islã. A ONU estima que cerca de 400 mil yazidis viviam na Síria e no Iraque em agosto de 2014, mas que milhares já foram sequestrados, torturados, vendidos ou mortos… (AGÊNCIA BRASIL)

Começa 69ª Assembleia Mundial da Saúde com representantes de 194 países

Nesse encontro, uma das prioridades do Brasil será (tentar) tranquilizar o mundo sobre as condições de saúde do Brasil.

Começou hoje (23) em Genebra, na Suíça, a 69ª sessão da Assembleia Mundial da Saúde. A expectativa é que o evento, coordenado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), receba até o próximo sábado (28) cerca de 3 mil delegados de 194 países-membros – incluindo o Brasil. O encontro é realizado anualmente na sede da organização, no centro da cidade suíça.

Este ano, a assembleia tem como tema central a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável – pactuada em 2015 em substituição aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Também serão tratados assuntos como obesidade infantil, aleitamento materno, doenças transmissíveis, resistência microbiana a antibióticos e emergências em saúde, em especial a epidemia de Zika e microcefalia… (AGÊNCIA BRASIL)

Brasil já reconheceu 8.863 refugiados de 79 nacionalidades

Nos últimos anos o Brasil tem recebido muitos pedidos de refugiados. Houve uma grande demanda vinda do Haiti. Atualmente muitos refugiados foram sírios.

Que o Brasil continue recebendo os refugiados vindos de todas as partes do mundo. Que melhore o tratamento dado a eles pois são pessoas que merecem respeito.

O Brasil já contabiliza 8.863 refugiados de 79 nacionalidades. De acordo com relatório divulgado hoje (10) pelo Comitê Nacional para Refugiados (Conare) do Ministério da Justiça (MJ), nos últimos cinco anos as solicitações de refúgio no Brasil cresceram 2.868%, passando dos 966 casos registrados em 2010, para 28.670 em 2015… (AGÊNCIA BRASIL)

Áustria analisa projeto que prevê “estado de emergência” migratório

A migração deve ser tratada pelas Nações Unidas como o tema principal a ser discutido daqui para frente nos próximos anos. Esse imenso fluxo migratório para a Europa mostrou o quão despreparados esses países estão para receber os refugiados. E tudo indica que muitos irão ainda tentar se estabelecer na Europa. O mundo precisa de políticas migratórias que melhor acolham os refugiados. Que possam estabelecer nova vida, com nono trabalho em outros países com muita dignidade.

O Parlamento austríaco analisa hoje (27) um projeto de lei que prevê a possibilidade de decretar estado de emergência migratório limitando o direito de asilo, num contexto de subida da extrema direita no país que recebeu 90 mil refugiados em 2015.

Elaborado há vários meses, apesar dos protestos de organizações não governamentais e de uma parte da oposição, o texto é um dos mais restritivos da Europa e permitirá em determinadas circunstâncias barrar os migrantes nas fronteiras sem lhes dar a possibilidade de apresentar pedido de asilo.

A nova lei prevê limitar a três anos a atribuição inicial do asilo e restringe o reagrupamento familiar no caso dos beneficiários da proteção subsidiária, nomeadamente os afegãos. “Não podemos acolher toda a miséria do mundo”, explicou o novo ministro do Interior, Wolgang Sobotka, assegurando que o governo não age “por prazer, mas porque outros países não fazem o seu trabalho” em matéria de controle dos migrantes… (AGÊNCIA BRASIL)

Crise dos refugiados deve ser prioridade do próximo secretário-geral da ONU

A situação dos refugiados na Europa é gravíssima e muitos estão sendo desrespeitados. Os números só têm aumentado nos últimos anos. Guerras surgindo em muitos países, muitas regiões. 

As principais organizações de direitos humanos definiram hoje (11) a “agenda” do próximo secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), defendendo que ele deve se comprometer com uma nova abordagem global para os refugiados e acabar com a pena de morte. A Amnistia Internacional, o Observatório dos Direitos Humanos e quatro outros grupos também consideraram que o próximo chefe das Nações Unidas deve estar preparado para invocar a carta da ONU para prevenir e acabar com atrocidades em massa, como as que têm civis como alvos em guerras… (AGÊNCIA BRASIL)

Acnur e OIM solicitam US$ 550 milhões à comunidade internacional para ajuda a refugiados

Os refugiados na Europa precisam de auxílio ! São milhares ! Continuam chegando ! Saiu fora de controle !

O Acnur (Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados) e a OIM (Organização Internacional das Migrações) pediram nesta segunda-feira (25/01) US$ 550 milhões (aproximadamente R$ 2,267 bilhões) à comunidade internacional para continuarem o trabalho de acolhimento dos refugiados que chegam à Europa…. (OPERA MUNDI)