Mês: julho 2016 Page 1 of 3

Empresários podem se inscrever até 31 de julho para missão à Ásia

Oportunidade de negócios para os exportadores brasileiros !

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e o Ministério das Relações Exteriores estão selecionando empresas e instituições representativas do agronegócio para integrar a missão oficial a países da Ásia, de 6 a 21 de setembro. As inscrições podem ser feitas no site do Mapa até 31 de julho.

A região é prioritária para o mercado agrícola mundial e uma das principais origens de investimentos internacionais no setor. O crescimento econômico asiático, a taxa de urbanização e o consequente aumento da demanda por alimentos, fibras e energia estão acima da média global, o que reforça a importância da missão organizada pelo governo brasileiro.

A missão, que será chefiada pelo ministro Blairo Maggi, terá agenda em Seul (Coreia do Sul), Hong Kong e Chongqing (China), onde serão realizadas rodadas de negócios. Também haverá compromissos em Bangkok (Tailândia), Yangon (Myanmar), Hanói (Vietnã), Kuala Lumpur (Malásia) e Nova Déli (Índia).

A programação da viagem prevê seminários, diálogos empresariais, visitas técnicas e rodadas de negócio com importadores e investidores locais. Os custos com passagens aéreas, hospedagem, alimentação, taxas consulares e outras despesas são de responsabilidade das empresas e entidades participantes, assim como as providências para obtenção de vistos e a escolha dos voos que melhor se adequarem às suas necessidades, no decorrer da missão.

Exportação e investimentos

Há formulários específicos para empresas e para instituições representativas se inscreverem. Os interessados devem responder, por exemplo, que produtos pretendem exportar e se já têm representante, distribuidor, agente, escritório ou joint venture nos países onde ocorrerão os encontros. Quem for em busca de recursos também deve informar que tipo de investimento pretende captar.

A seleção levará em conta o grau de maturidade exportadora e a adequação do portfólio de produtos oferecidos pela empresa aos mercados de destino da missão, entre outros critérios. Para participação nas rodadas de negócio na China e na Coreia do Sul é necessário que a empresa já seja habilitada a exportar seus produtos para esses países. (MAPA)

MDIC lança nova ferramenta de acesso aos dados de comércio exterior

Excelentes alterações ! Para maior entendimento e aproveitamento dos estudantes e profissionais diversos do Brasil !

Brasília (28 de julho) – Jornalistas da área econômica, que analisam e publicam dados da balança comercial brasileira, divulgada pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), participaram, na manhã desta quinta-feira, de workshop de apresentação da nova estrutura de divulgação de dados de comércio exterior.

Além de mudar o formato de publicação das planilhas, a partir de hoje, o ministério conta também com outra inovação: a ferramenta Comex Vis, que permite visualizações interativas das estatísticas. O workshop foi aberto pelo secretário de Comércio Exterior do MDIC, Daniel Godinho, que reiterou o compromisso do governo com a transparência. “Isso não se limita a apenas divulgar os dados, mas também difundir as estatísticas de comércio exterior de maneira cada vez mais fácil, transparente e inclusiva”, explicou.

Houve um aprimoramento global na forma de divulgação dos dados. Dessa forma, o MDIC pretende atender a demandas distintas, incluindo desde analistas de mercado, pesquisadores acadêmicos, empresários e imprensa, entre outros públicos.

COMEX VIS

O analista de comércio exterior do MDIC, Saulo de Souza Guerra Ferreira, um dos expositores do encontro, explicou o funcionamento da Comex Vis, uma ferramenta de visualização interativa online, em que é possível navegar e interagir com gráficos e informações das exportações e importações brasileiras.

A base integral da série histórica, de 1997 a 2016, já está disponível, com dados sobre o Brasil, blocos comerciais ou por continente, e países parceiros. Os gráficos apresentam dados anuais e por período acumulado. Também é possível fazer recorte por país e produto, período, verificar valores e percentuais, traçar comparativos, entre outras facilidades.

Não é necessário conhecimento avançado para acessar o Comex Vis. Além disso, o portal é responsivo, o que permite leitura em smartphones e tablets igualmente. A proposta é que até o final do ano sejam incorporadas visualizações adicionais, como dados por UF ou pesquisa por produtos. As formas de divulgação atuais serão mantidas, pois foram desenhadas para públicos específicos. Essa nova ferramenta complementa o processo atual de divulgação de dados.

“A plataforma foi desenvolvida pela própria equipe da Diretoria de Estatística e Apoio à Exportação da Secex, utilizando os instrumentos mais modernos de visualização de dados estatísticos em utilização hoje no mundo, a custo zero”, destacou Godinho. (MDIC)

El agronegocio generó casi el 70% de la deforestación en América Latina, según la FAO

O Agronegócio gerou quase 70% da desflorestação na América Latina, segundo a FAO (Fundo das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação).

Os países precisam unir forças para preservar o meio ambiente, precisam investir na agricultura familiar, alimentação orgânica.

Aunque la tasa de deforestación en 2015 se ha reducido en casi 50% comparada con la registrada en 1990, los niveles de deforestación siguen siendo altos en América Latina, particularmente en la región amazónica, debido al crecimiento de la producción de agronegocios para los mercados internacionales. La información se desprende del reciente informe sobre el estado de los bosques del mundo 2016, elaborado por el Fondo de las Naciones Unidad para la Agricultura y la Alimentación, FAO.

Según el informe, la agricultura comercial generó casi el 70 por ciento de la deforestación en América Latina entre el periodo 2000-2010, pero solo un tercio en África, donde la agricultura a pequeña escala constituye un factor más significativo de la deforestación.

En la Amazonia en particular, la producción de agronegocios para los mercados internacionales fue el principal factor de deforestación posterior a 1990, producto de prácticas como el pastoreo extensivo, el cultivo de soja y las plantaciones de palma aceitera… (NODAL)

Crisis en el Mercosur: Uruguay entregará el sábado la presidencia a Venezuela y Paraguay dice que será ilegítimo

Uruguai entregará no sábado a presidência do Mercosul para a Venezuela e Paraguai disse que é ilegítimo.

La cancillería uruguaya recibió ayer la confirmación escrita de que Brasil y Paraguay no concurrirán al Consejo del Mercado Común, el próximo 30 de julio en Montevideo, y decidió levantar la reunión que estaba prevista para ese día dijo una fuente de gobierno a El Observador.

La decisión de Uruguay se sustenta en el artículo 37 del Tratado de Ouro Preto que establece que las decisiones se deben tomar por consenso y con la presencia de todos los estados parte.

Sin embargo, la diplomacia uruguaya dará por culminada su gestión al mando del bloque y procederá a entregar la presidencia del Mercosur a Venezuela, a pesar de que la transferencia no tenga un acto jurídico en particular.

En ninguno de los tratados que le dan marco jurídico al Mercosur existe una norma expresa en cuanto a la forma que se debe transferir la presidencia pro témpore. El artículo 5 de Ouro Preto establece que la presidencia será ejercida por rotación, en orden alfabético y cada seis meses. Mientras que el artículo 6 afirma que el Consejo del Mercado Común se debe reunir al menos una vez por semestre con la participación de los presidentes de los miembros del bloque. Pero nada dice acerca de la forma del traspaso ni los mecanismos que se emplean para ello… (NODAL)

Brasil já pode vender ao Canadá alimentos para animais domésticos

Abertura de novos negócios !

Fabricantes brasileiros de gelatina e de alimentos para animais domésticos já podem exportar para o Canadá. O anúncio foi feito nesta terça-feira (26), em Ottawa, durante a 8ª Reunião do Comitê Consultivo Agrícola (CCA) Brasil-Canadá. Os representantes dos dois países também acertaram que missões canadenses deverão fazer uma auditoria em plantas frigoríficas de carne bovina e suína no Brasil, assim como nos controles oficiais para exportação de carne de frango, o que significa avanço nas negociações bilaterais… (MAPA)

País fecha entendimento com a UE para exportar mais

Excelente notícias ! Novas oportunidades de negócios para as empresas exportadoras brasileiras !

O Brasil fechou acordo com a União Europeia (UE) para aumentar as cotas de importação de carne de frango e de peru in natura (fresca e congelada) e açúcar, o que beneficiará as exportações brasileiras. Essa alteração é uma compensação pela entrada da Croácia no bloco europeu, já que as condições de acesso ao mercado croata eram mais favoráveis ao Brasil.
A exportação de carne de frango será acrescida de 4.766 toneladas e de peru, de 610 toneladas, com tarifa zero dentro do limite da cota. Já o açúcar será beneficiado com duas cotas, uma destinada aos produtores da Região Nordeste que terá um acréscimo de 78 mil toneladas. A outra cota é de 36 mil toneladas, volume que poderá ser utilizado pelo Brasil ou por qualquer país exportador de açúcar.

Mesmo com o acordo assinado, ainda há um caminho a ser percorrido para que os exportadores brasileiros se beneficiem dessas novas cotas. “O processo dentro da União Europeia é longo, tendo que passar inclusive pela aprovação do Parlamento Europeu”, ressaltou o adido agrícola Luís Henrique Barbosa da Silva, representante do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento na Organização Mundial do Comércio, com sede em Genebra.(MAPA)

Brasil foi país que mais abriu investigações antidumping, diz OMC

O Brasil precisa de muitas reformas. Difícil dizer o que não é burocrático por aqui ou o que está funcionando com legislação atual, moderna. Importar no Brasil é caro demais. Quem depende da Anvisa, por exemplo, aguarda meses ou anos para obter licença de importação, registrar e comercializar seus produtos.

Vamos assinar que tipo de acordos de livre comércio com procedimentos de importação assim?

O país é muito protecionista.

Relatório divulgado hoje (25) pela Organização Mundial do Comércio (OMC) revela que o Brasil foi o país que mais abriu investigações antidumping nos últimos três anos. Entre 2013 e 2015, foram iniciadas 112 investigações, 15% do total registrado para os países-membros do organismo internacional.

Segundo a OMC, as investigações não levam, necessariamente, à imposição de medidas restritivas ao comércio, mas são um indicador de provável alta das restrições. O dumping é a prática de exportar um produto a preço inferior ao praticado no país de destino. Já as medidas antidumping são maneiras de neutralizar a prática, considerada desleal, geralmente pela imposição de tarifas alfandegárias adicionais.

Apesar de concentrar o maior número de novas investigações antidumping, o Brasil registrou diminuição delas entre 2013 e 2015. Em 2013, foram 54 investigações iniciadas. Em 2014, o número caiu para 35 e, em 2015, atingiu 23.

O relatório aponta aumento das barreiras comerciais de forma generalizada entre os países-membros e conclui que é preciso “resistir às pressões protecionistas”. Segundo o documento, assinado por Roberto Azevêdo, diretor-geral da OMC, as novas medidas restritivas ao comércio aumentaram de uma média de 15 por mês, na última medição, para 22 por mês. O número refere-se ao período de outubro de 2015 a maio de 2016, e é a maior média desde 2011.

Azevêdo divulgou o relatório durante o encontro do Órgão de Análise da Política de Comércio da OMC. Outra conclusão do levantamento é que os países-membros são lentos em eliminar as medidas restritivas ao comércio.

“Das 2.835 medidas restritivas ao comércio registradas para membros da OMC desde 2008 até este exercício, somente 708, ou 25%, haviam sido removidas até maio de 2016”, afirma o documento. O relatório pondera, no entanto, que, entre outubro de 2015 e maio deste ano, os países-membros adotaram uma média de 19 novas medidas por mês destinadas a facilitar o comércio. (AGÊNCIA BRASIL)

Balança comercial da quarta semana de julho de 2016

Vamos reagir Brasil ! Precisamos exportar mais, importar mais !

Brasília (25 de julho) – A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 852 milhões na quarta semana de julho, resultado de exportações no valor de US$ 3,637 bilhões e importações de US$ 2,785 bilhões. No mês, as exportações somam US$ 13,021 bilhões e as importações, US$ 9,170 bilhões, com saldo positivo de US$ 3,851 bilhões. No ano, as vendas internacionais totalizam US$ 103,273 bilhões e as compras, US$ 75,771 bilhões, com saldo positivo de US$ 27,503 bilhões.

Na quarta semana do mês, a média diária das exportações chegou a US$ 727,4 milhões, 14,8% abaixo da média de US$ 853,3 milhões até a terceira semana, em razão da queda nas exportações de produtos das três categorias: básicos (-19%) – por conta de soja em grãos, petróleo em bruto, carne de frango e bovina, farelo de soja e fumo em folhas – manufaturados (-14,2%) – em razão, principalmente, de plataforma para extração de petróleo, açúcar refinado, polímeros plásticos, autopeças e motores para automóveis – e semimanufaturados (-4,1%), em razão de açúcar em bruto, semimanufaturados de ferro e aço, celulose, ouro em forma semimanufaturada e ferro.

Do lado das importações, apontou-se retração de 4%, sobre igual período comparativo (média da quarta semana, US$ 557 milhões sobre a média até a terceira semana, US$ 580,4 milhões), explicada, principalmente, pela diminuição nos gastos com aparelhos eletroeletrônicos, químicos orgânicos e inorgânicos, adubos e fertilizantes, farmacêuticos e combustíveis e lubrificantes… (MDIC)

Paraguay and Brazil reiterate “Venezuela is a non full member of Mercosur”

Paraguai anunciou oficialmente que não vai estar presente no Conselho do Mercado Comum do Mercosul em Montevidéu no próximo 30 de julho, se a agenda inclui a transferência da presidência do grupo para Venezuela.

Brasil também não aceitará.

“Paraguay is considering if we are to be coherent with our position, we will not participate in a meeting with the purpose to transfer the pro tempore presidency to Venezuela. Paraguay is still awaiting a reply from the presentation made for the Mercosur meeting with respect of Venezuela and the Ushuaia Protocol”, said foreign minister Eladio Loizaga… (MERCOPRESS)

Brasil e Canadá debatem agenda bilateral do agronegócio, em Ottawa

Muitos negócios a caminho !

Os principais temas do comércio agropecuário entre Brasil e Canadá serão discutidos na 8ª Reunião do Comitê Consultivo Agrícola (CCA) Brasil-Canadá, que acontece nesta segunda-feira (25) e amanhã em Ottawa, capital canadense. O encontro conta com a participação de três representantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento: o secretário interino de Relações Internacionais do Agronegócio (SRI), Odilson Ribeiro Silva, o diretor de Inspeção de Origem Animal da Secretaria de Defesa Agropecuária, José Luís Vargas, e o assessor do Departamento de Negociações não Tarifárias da SRI, Filipe Lopes.
A delegação brasileira defenderá a abertura do mercado de carnes bovina e suína in natura. O Brasil também pedirá apoio ao Canadá para a candidatura do fiscal federal agropecuário Guilherme Costa à presidência da Comissão do Codex Alimentarius, referência internacional para a solução de disputas sobre inocuidade alimentar e proteção à saúde do consumidor. Do lado canadense, o interesse é pela venda de produtos como bovinos vivos, sêmen e embrião de ovinos e caprinos. Temas como a cooperação técnica entre os dois países e o alinhamento para negociações na Organização Mundial do Comércio e outros fóruns internacionais também estão na pauta da reunião.. (MDIC)

Page 1 of 3

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén