Brasil e Emirados Árabes Unidos negociam Acordo de Cooperação e Facilitação de Investimentos

O Brasil precisa de muitos investimentos em vários setores

Brasília (17 de maio) – O ministro Marcos Pereira e a embaixadora dos Emirados Árabes Unidos (EAU) no Brasil, Hafsa Abdula Al Ulama, se reuniram nesta quarta-feira, no MDIC, em Brasília, para discutir formas de ampliar investimentos e o comércio bilateral.

Na audiência com o ministro, a embaixadora afirmou que há interesse dos Emirados Árabes Unidos em firmar com o Brasil um Acordo de Cooperação e Facilitação de Investimentos (ACFI). Marcos Pereira mostrou disposição em continuar a negociação para a assinatura do acordo, já assinado com outros oito países, e lembrou que existem grandes investimentos dos Emirados Árabes no Brasil.

Além disso, o ministro afirmou que o intercâmbio comercial tem potencial de crescimento e indicou as Zonas de Processamento de Exportação (ZPE) como potenciais áreas de interesse para novos investimentos dos EAU no Brasil para empresas que queiram produzir e exportar para o Mercosul e região.  Por fim, a embaixadora reforçou o convite para que o ministro participe da Expo 2020, que será realizada em Dubai… (MDIC)

Emirados facilitam renovação de visto

Bom dia Seguidores,

Informação importante para aqueles que desejam viajar aos Emirados Árabes Unidos.

Os Emirados Árabes Unidos decidiram facilitar o processo de extensão de vistos de visitantes no país. Com o pagamento de uma taxa de 570 dirhans (cerca de US$ 155), o solicitante pode ter sua permanência prolongada em mais um mês na nação do Golfo. As informações são do jornal Khaleej Times, de Dubai.

Antes, era preciso deixar o país por pelo menos um mês para que o visto pudesse ser renovado. Com a nova regra, não é mais necessário que os estrangeiros se ausentem do território dos Emirados para solicitar a extensão… (ANBA)

Empresa dos Emirados Árabes enviará missão para definir investimentos no Brasil

Boa tarde Seguidores, 

Negócios a caminho !

A ministra Kátia Abreu (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) apresentou nesta quinta-feira (12), em Abu Dhabi, as oportunidades de investimento no agronegócio brasileiro à holding Aldahra, dos Emirados Arábes. Após ouvir a ministra falar sobre o potencial de regiões como o Matopiba (formada por Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia) e o Sul, o vice-chairman Khadim Al Darei afirmou que enviará uma missão técnica da empresa ao Brasil.

A missão vai identificar as oportunidades de investimento e os produtos agropecuários de interesse da empresa, líder nos Emirados Árabes Unidos em importação de arroz. A Aldahra é um fundo de investimentos que também atua na comercialização, operação e produção de rações e alimentos como farinha, frutas e vegetais, além de arroz. A holding, que pertence ao sheik Hamdan al-Nahyan, é grande re-exportadora para mais de 20 países árabes.

FMI: Emirados vão bem, mas Dubai gera incerteza

Bom dia Brasil ! É sempre muito importante saber o desempenho de um país (oportunidade de negócios).

Agência de Notícias Brasil Árabe

“Os Emirados Árabes Unidos estão conseguindo reequilibrar o orçamento e os gastos do governo. No entanto, um levantamento do Fundo Monetário Internacional (FMI) sobre a economia do país divulgado na quarta-feira (12) alerta que a “endividada” Dubai ameaça o desempenho econômico no médio prazo.

Segundo o FMI, os Emirados estão comprometidos em administrar o crescimento dos gastos do governo e em conter uma queda brusca dos preços do petróleo. O FMI observou que os Emirados começaram ainda em 2012 a cortar os gastos e conseguiram dobrar o superávit fiscal, que ficou em 8,8% do Produto Interno Bruto (PIB), contra 4,1% em 2011.

A redução de gastos continua neste ano, com subsídios menores. Ao mesmo tempo, a previsão do país é que o orçamento para os setores de serviços, defesa e segurança e massa salarial sejam maiores do que em 2012. O levantamento do FMI prevê que, devido aos preços mais baixos do petróleo, o superávit fiscal dos Emirados deverá ser de 8,1% neste ano e cair gradualmente até 5,1% em 2018.

A estimativa do Fundo é que o preço do barril encerre 2013 cotado a US$ 108,1 e chegue em 2018 a US$ 90,9. Este ano, o PIB dos Emirados Árabes Unidos deverá ser de US$ 387 bilhões, um aumento de 3,6% em relação a 2012.

Embora reconheça os esforços do governo em administrar suas finanças, o Fundo alerta que Dubai pode afetar o desempenho econômico do país no médio prazo.

“Os megaprojetos de Dubai serão executados, em grande parte, por empresas ligadas ao governo. Embora mais investimentos no desenvolvimento da economia sejam bem-vindos, as autoridades precisam garantir que a execução destes projetos seja gradual e flexível de acordo com a demanda”, afirma o relatório do FMI. O levantamento lembra que Dubai ainda tem débitos relacionados à crise de 2008 e afirma que a dívida total do Emirado, de US$ 142 bilhões, equivale a aproximadamente 102% do seu PIB.”

http://www.anba.com.br/noticia/20761839/macro/fmi-emirados-vao-bem-mas-dubai-gera-incerteza/