Brasil quer se integrar a ações de cooperação da Unido para o desenvolvimento da indústria nacional

Seria muito interessante se o Brasil participasse da Unido

Brasília (31 de julho) – Durante a segunda Reunião de Ministros de Indústrias dos BRICs, realizada na cidade de Hangzhou, na China, na última sexta-feira (28), o Brasil reafirmou o interesse em se integrar às ações lideradas pela Unido (que em português é: Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial) – braço da ONU voltado para o desenvolvimento industrial, focado na redução da pobreza, na globalização inclusiva, e na sustentabilidade ambiental.

No evento, o secretário de Desenvolvimento e Competitividade Industrial, Igor Calvet, representou o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), e reafirmou ao diretor-geral da Unido, Li Yong, que o Brasil tem interesse em  iniciar tratativas para fazer parte do “Programme for Country Partnership”, iniciativa da Agência, ainda sem tradução para o português, que tem sido desenvolvida no Peru.

Desde 2015, a Unido e o governo peruano vêm trabalhando, por meio de cooperação técnica, para incentivar o desenvolvimento de uma indústria mais moderna, competitiva e inclusiva. O PCP, como é chamado o programa, busca gerar investimentos, promover suporte técnico e mobilizar fundos de investimento para o desenvolvimento industrial dos países parceiros. No Peru, a iniciativa é focada em quatro áreas: qualidade e inovação; cadeias de valor e desenvolvimento empreendedor; áreas industriais sustentáveis; e energia renovável e eficiência energética… (MDIC)

“Brexit” bloqueará livre circulação de pessoas entre Reino Unido e UE

O mundo todo de olho no Brexit e os reflexos na União Europeia

O governo britânico esclareceu nesta segunda-feira (31) que as recentes especulações de que a livre circulação de pessoas pela União Europeia (UE) continuará em vigor uma vez que o Reino Unido execute o “Brexit” [a saída da Inglaterra, Irlanda do Norte, Escócia e País de Gales do bloco europeu] “são equivocadas”. A informação é da EFE.

A afirmação de um porta-voz de Downing Street – residência e escritório oficial da primeira-ministra britânica Theresa May – rebateu as declarações feitas na sexta-feira pelo ministro das Finanças, Philip Hammpond, que disse que implementar controles à livre circulação de pessoas após o “Brexit” levaria “algum tempo”.

Estas declarações suscitaram especulações de que o livre trânsito entre a Inglaterra, a Irlanda do Norte, a Escócia, o País de Gales e a UE continuaria permitido durante um período transitório de três anos após a saída do Reino Unido do bloco comunitário, prevista para março de 2019.

Em vista das diferenças de enfoque em relação ao “Brexit” no seio do gabinete de May, o governo britânico esclareceu que “seria errado sugerir que (a livre circulação de pessoas) continuará como está agora”. Nos últimos dias os meios de comunicação locais deram conta da incerteza que rodeia as futuras políticas de imigração no país se for implementada uma fase de transição após o “Brexit”… (EBC)

Bolivia produce el 95% de los alimentos que consumen, según el Ministerio de Desarrollo Rural y Tierras

Excelente notícia ! Essa independência alimentar é muito interessante.

Bolivia produce el 95% de los alimentos que consume y este año su producción alimenticia llegará a 18 millones de toneladas, informó el domingo el ministro de Desarrollo Rural y Tierras, César Cocarico.

“En la generalidad de la producción estamos muy bien, en más del 95 por ciento de los productos que consumimos es nacional (…). Este año vamos a llegar cerca de 18 millones de toneladas de producción de alimentos”, explicó en entrevista con medios estatales.

Destacó que entre 2006 y 2016 la producción de alimentos se incrementó sustancialmente de 7 millones a más de 14,7 millones de toneladas, por las políticas que implementó el Gobierno en los últimos 11 años en favor del sector productivo del país.

Aseguró que Bolivia es un país autosuficiente en producción de alimentos, porque en 11 años la producción de papa se incrementó de 8.016 a 1 millón de toneladas; de cebolla de 50.000 a 80.000 toneladas; y de tomate de 43.000 a 61.000 toneladas… (NODAL)

Privatização da administração portuária é caminho inevitável, avalia Conselho de Infraestrutura da CNI

O Poder Público brasileiro é ineficiente demais.

O Conselho Temático de Infraestrutura da Confederação Nacional da Indústria(Coinfra) recomenda a privatização das Companhias Docas o mais rapidamente possível. Segundo o presidente do Coinfra, Olavo Machado, o setor público já se mostrou incapaz de administrar os portos e responder com agilidade às oportunidades de mercado.

“O setor privado tem mais condições de investir e mobilizar recursos para darmos a tão esperada eficiência que os exportadores e importadores brasileiros precisam. Não temos mais tempo para abrir mão de instrumentos que vão nos dar competitividade”, disse Olavo Machado durante reunião do Conselho nesta quarta-feira (26), em Brasília.

Dados da CNI mostram que a execução orçamentária de investimentos da União, nos seis primeiros meses deste ano, foi 34% menor do que no mesmo período do ano passado. Foram investidos apenas R$ 13,8 bilhões, o menor valor dos últimos sete anos. No Ministério dos Transportes, os investimentos foram 38% inferiores do que entre janeiro e junho de 2016. E 80% deles foram para rodovias. … (CNI)

Manobra da CAMEX adia fim do acordo com Chile e frustra indústria

A Camex do Brasil precisa dar explicações com muito embasamento técnico para a Indústria Brasileira.

O setor privado não encontra nenhuma justificativa plausível para a decisão da Câmara de Comércio Exterior (Camex) que adiou o fim do acordo marítimo entre o Brasil e o Chile para 2020. Segundo o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, o convênio estabeleceu cláusula para a renúncia do acordo durante sua vigência, desta forma, não há explicação para a extensão do acordo.

“A decisão não ajuda a melhorar a competitividade da indústria. Estamos precisando de soluções imediatas e positivas, que gerem emprego, renda e um ambiente que se permita investir mais. Não é o que acontece com essa decisão”, diz Robson Braga de Andrade.

O Chile é o segundo maior parceiro do Brasil na América do Sul e a manutenção do acordo vai impedir a criação de mais de 15 mil empregos, vai manter o frete marítimo para o país andino em média 45% acima do mercado, e os preços dos produtos brasileiros importados do Chile vão permanecer em média 5% mais caros. .. (CNI)

MDIC instala Grupo de Trabalho que definirá Estratégia Nacional para a Indústria 4.0 no Brasil

Excelente proposição do governo brasileiro porque o assunto é muito sério e de vital importância para a indústria brasileira existente e para as futuras indústrias que irão surgir.

Brasília (26 de julho) – O ministro interino da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Jorge de Lima, presidiu nesta quarta-feira a sessão de instalação do Grupo de Trabalho da Indústria 4.0. O GTI 4.0 tem como atribuição propor uma Estratégia Nacional para a Indústria 4.0, buscando sua correlação com outras ações governamentais em curso que impactam a indústria nacional.

“Temos a oportunidade de vivenciar um marco real da história da evolução industrial e, mais do que isso, temos a oportunidade de contribuir para a elaboração de propostas de políticas públicas que serão fundamentais para a transformação da indústria”, disse.

Veja apresentação sobre o Grupo de Trabalho da Indústria 4.0

“A Indústria 4.0 incorpora novas tecnologias à indústria tradicional, conectando nossos parques fabris às nuvens, a sistemas sensoriais virtuais-físicos, entre outros. A transformação digital é um desafio e uma oportunidade para a indústria brasileira, porque o investimento em tecnologia, certamente, implicará avanços na competitividade da nossa indústria”, completou.

O GTI 4.0 é coordenado pelo Gabinete do MDIC e conta com a participação dos ministérios da Educação; Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações; Fazenda; Trabalho e Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos, entre outros. Também integram o grupo o BNDES, a FINEP, a EMBRAPII, o CNPq e a CAPES. O setor privado está representado por diversas associações e entidades de classe. A academia é representada por Instituições de Ensino e Pesquisa que desenvolvam atividades relacionadas à Indústria 4.0 e Manufatura Avançada…. (MDIC)

Fisheries subsidies talks move forward with seven proposals and forthcoming compilation

As negociações sobre subsídios à pesca avançam com sete propostas e compilação próxima

Os membros da OMC, em 18 de julho, concordaram em passar para a próxima fase das negociações sobre os subsídios à pesca, após uma subida de propostas novas e revisadas destinadas a chegar a uma decisão até dezembro na Conferência Ministerial. Os membros concordaram com a elaboração de um documento compilando as propostas sob a forma de uma matriz, que se destina a ajudar os membros a firmar posições durante o verão antes das intensas negociações de setembro.

“Thanks to the surge in effort, we are now in a position where we have all the promised textual proposals delivered,” the chair of the Negotiating Group on Rules, Ambassador Wayne McCook (Jamaica), said at the close of a cluster of informal meetings held on 13, 17 and 18 July.

At the 13 July meeting, revised submissions from the European Union and Indonesiawere introduced, as was a new proposal from Norway. After that meeting, the African, Caribbean, Pacific (ACP) Group of States and the Least-Developed Countries (LDC) Group submitted new textual proposals, and a group of six Latin American countriessubmitted a revised text. The Latin American group is composed of Argentina, Colombia, Costa Rica, Panama, Peru and Uruguay. All six of the new and revised proposals were discussed at the 17-18 July meeting. Along with a previously-discussed joint submission by New Zealand, Iceland and Pakistan, these make for a total of seven textual proposals on fisheries subsidies… (WTO)

Marcos Pereira participa da reunião do Mercosul em Mendoza

É muito importante avançar nas negociações com a União Europeia mas também trabalhar no bloco.

Brasília (19 de julho) – O ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, viaja hoje para Mendoza, na Argentina, para participar da Reunião de Cúpula do Mercosul. As agendas serão realizadas nestas quinta e sexta-feira. Na programação, estão previstos vários compromissos oficiais, uma bilateral com a Argentina e a II Reunião de Ministros de Indústria, Comércio e Serviços do bloco, fórum que foi instituído por incentivo do ministro.

Desde que assumiu o comando do MDIC, Marcos Pereira vem trabalhando para o fortalecimento do Mercosul e criação de um diálogo permanente entre ministros de Comércio, Indústria e Serviços do bloco. Ao final do encontro, que contará com a participação dos Chefes de Estado de todos os países membros, o Brasil vai receber a presidência pro tempore do Mercosul.

Para Marcos Pereira, sob a presidência brasileira, a principal meta será avançar nas negociações com a União Europeia. “Acredito que até o final do ano já teremos um acordo desenhado e em condições de ser fechado”, avalia. Baseado em estudos da área econômica do MDIC, Marcos Pereira diz que o acordo poderá trazer incrementos de 3% a 4% ao PIB brasileiro. “A União Europeia é um mercado de mais de 500 milhões de consumidores. O acordo vai trazer muitas oportunidades para o setor produtivo de todo o Mercosul”, reforça… (MDIC)

Senadores da Colômbia e do Chile denunciam Maduro em tribunal internacional

Muitas acusações cometidas pelo Presidente Maduro, segundo seus opositores.

Um grupo de senadores da Colômbia e do Chile apresentou nesta terça-feira (18) uma denúncia no Tribunal Penal Internacional (TPI) em Haia, na Holanda, contra o presidente venezuelano Nicolás Maduro por crimes como tortura e segregação, entre outros, disse à Agência EFE o parlamentar colombiano Iván Duque.

“É um documento de denúncia que se apresenta à Promotoria do TPI, onde estamos acusando Nicolás Maduro de crimes que são competência dessa corte, como tortura, apartheid por segregação e ataques desmesurados a um segmento da população, homicídios seletivos, sequestros e deportações em massa”, disse Duque à Efe por telefone… (EBC)

Especialistas alertam que indústria do futuro vai gerar desemprego

O Brasil precisa sofrer uma atualização de máquinas sem medidas. Parque industrial muito sucateado em geral. A importação de novas máquinas, com alta tecnologia e com a importação da robótica vai mudar o cenário industrial brasileiro.

A preocupação com o desemprego que será gerado com uso de tecnologias na indústria do Brasil foi tema de debate hoje (19) durante o Fórum Indústria 4.0, realizado pela Câmara Americana de Comércio (Amcham), em São Paulo. A quarta revolução na indústria, alavancada pelos robôs, sensores e tecnologia da informação, promoverá ganho de produtividade.

Segundo o último levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de desemprego no país ficou em 13,3% no trimestre encerrado em maio. O contingente de desocupados no Brasil é de 13,8 milhões de pessoas.

João Alfredo Delgado, diretor de tecnologia da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), disse que o profissional do futuro precisa de qualidades como talento e raciocínio. “Vai ter outro tipo de emprego e aí está o problema. Teremos um estoque de pessoas, talvez não qualificadas”, afirmou.

Problema social

Para ele, pode-se fazer uma relação com a mecanização da agricultura, onde até os tratores passaram a dispensar um condutor humano. “Nas cidades, sofremos com milhões de pessoas entrando sem emprego. É um sério problema social. O Brasil vai sofrer mais porque o país tem um contingente de trabalhadores despreparados”, acentuou… (EBC)